O que é o bloqueio geográfico?

O bloqueio geográfico é uma tecnologia utilizada pelas empresas e governos para restringir o seu acesso a websites (ou determinados conteúdos com base nesses websites) com base na sua localização geográfica.

Por exemplo, digamos que vive na Alemanha e tem uma subscrição do Netflix. Se tentar assistir a um programa de TV norte-americano, há boas hipóteses de não o conseguir encontrar na sua biblioteca do Netflix. Porquê? Porque foi bloqueado geograficamente pelo Netflix e disponibilizado apenas aos residentes nos Estados Unidos. Isto é, basicamente, o bloqueio geográfico.

Se o bloqueio geográfico fosse uma pessoa, cuspia-lhe nas costas e fechava-lhe sempre a porta do elevador na cara.

bloqueio geográfico patife
Visto aqui no seu habitat natural.

Como funciona o bloqueio geográfico?

A tecnologia de restrição geográfica é utilizada para atingir vários fins:

  • As empresas de multimédia podem ter diferentes ofertas de multimédia em diferentes países. Por conseguinte, utilizam frequentemente o bloqueio geográfico para restringir o acesso a material com direitos de autor num país em particular,
  • Definição de diferentes preços em diferentes países,
  • Limitação do acesso a conteúdos em conformidade com a legislação nacional,
  • Limitação do acesso a conteúdos que tenham sido considerados irrelevantes para utilizadores estrangeiros.

A popularidade do Netflix tem feito muito para chamar a atenção do mundo para este fenómeno. Mas sabe que mais? Até o Netflix odeia o bloqueio geográfico e tem evitado deliberadamente pedidos para impor restrições mais rigorosas nos seus conteúdos. Como resultado, a plataforma tem conseguido desenvolver uma base de utilizadores mundial e está prestes a transformar-se num substantivo comum.

Então, como funciona? Existem várias formas, mas o que temos de enfrentar é o bloqueio geográfico com base no endereço IP e na conta bancária/do cartão de crédito. Um passo de cada vez.

Bloqueio geográfico do IP

Ao estabelecer ligação à Internet, cada computador possui um número exclusivo que o identifica. Este número chama-se “endereço IP” ou, simplesmente, “IP”. Contém quatro secções e tem este aspeto “138.147.91.243” ou “205.10.180.131”. Se alguém souber o seu IP, sabe mais do que apenas um número. Provavelmente, terá acesso:

  • Ao seu fornecedor de serviços de Internet (ISP),
  • Em que país se encontra.

Ao aceder a algum website ou serviço, recebe o seu endereço IP e pode utilizar software de geolocalização para determinar onde se encontra. Depois de ter sido determinada, o website ou o serviço podem apresentar conteúdos adaptados à sua localização.

Restrições de cartões de crédito ou transferências bancárias

Alguns websites ou serviços não consideram que seja suficiente restringir o seu acesso com base na localização do seu IP. E, obviamente, têm razão em pensar assim; vamos mostrar-lhe porquê já a seguir. Estas medidas financeiras são difíceis de contornar – só permitem pagar bens ou serviços utilizando cartões de pagamento registados nos países certos.

Como contornar o bloqueio geográfico?

O conhecimento deve estar disponível a toda a gente e em qualquer lugar. Foi por isso que a Internet foi criada e é por isso que é tão revolucionária. Obrigado, mas não queremos nada desses bloqueios!

Então, o que podemos fazer? Bem, para começar, podemos contornar o bloqueio geográfico de IP quase por completo utilizando métodos de disfarce tipo ninja.

Lembre-se de que funciona principalmente pela leitura do seu IP. Podemos utilizar essa informação a nosso favor. Existe um enorme mercado de produtos com capacidade para contornar a restrição geográfica através da ocultação do seu endereço real. Vejamos algumas das opções.

1. VPN (Rede privada virtual)

As VPN são de longe as melhores e mais importantes ferramentas neste debate. Isto porque uma boa VPN pode fazer muito mais do que apenas contornar as medidas de bloqueio geográfico.

As redes privadas virtuais alargam a sua rede doméstica e fazem com que pareça que a ligação é oriunda de um dos muitos servidores de VPN. Estas ferramentas permitem escolher um servidor num país ou numa cidade em particular. Se pretender aceder a conteúdos destinados à população americana, basta ligar a um servidor de VPN nos Estados Unidos. Além disso, a maior parte das VPN encripta os seus dados, oferecendo um excelente pacote de proteção para atividades mais sensíveis (como Torrenting, por exemplo).

Uma vantagem que as VPN têm em relação à concorrência é que, normalmente, pertencem a empresas profissionais, cujo negócio é “manterem-se atualizadas”. Assim, pode esperar atualizações constantes para enfrentar os novos desafios.

Existem opções de VPN grátis, mas estes são, com frequência, muito problemáticos. De qualquer forma, faz sentido investir algum dinheiro numa boa VPN. A sua utilidade aumenta a cada momento que passa!

As 3 VPN que se seguem são as melhores para contornar o bloqueio geográfico:

A líder de mercado em termos de segurança, privacidade e funcionalidades, incluindo "Tor Over VPN", a NordVPN oferece-lhe uma camada adicional de segurança ao aceder a conteúdos bloqueados geograficamente a partir de apenas 3,49 USD/mês.
  • Excelente segurança
  • A maior lista de servidores do mercado
  • Fantástica para o Netflix
  • Boa para "Torrenting"
  • Muito fácil de utilizar
  • Preço acessíveis
A segurança inviolável, o desbloqueio geográfico fiável e velocidades acima da média fazem com que a ExpressVPN seja uma das nossas VPN favoritas no geral. Uma ferramenta de excelência em todos os aspetos, incluindo no preço.
  • Segurança estanque
  • Enorme lista de servidores
  • Excelente para Streaming
  • Muito boa para Torrenting
  • Muito rápida
  • Apoio ao cliente permanente
Como uma das VPN mais populares do mercado, a CyberGhost cumpre muitas promessas em termos de segurança, facilidade de utilização e desbloqueio de conteúdos. Embora não seja a mais rápida de todas, continua a ser uma escolha bastante decente para Streaming e Torrenting.
  • Enorme lista de servidores
  • Segurança robusta
  • Muito fácil de utilizar
  • Funciona com o Netflix
  • Boa para "Torrenting"
  • Apoio permanente via conversa ao vivo

2. Serviço de proxy e Smart DNS

A principal diferença entre um proxy e uma VPN é que o última protege toda a ligação. Entretanto, um proxy funciona em aplicações específicas, como o seu navegador ou o cliente BitTorrent. Ambos ocultam o seu IP real, mas, em geral, os proxies não encriptam os seus dados.

Basicamente, uma boa VPN é mais fiável e universal – faz com que tudo no seu comportamento online pareça estranho. Essa pode não ser a maior preocupação se só estiver interessado em fazer Streaming de conteúdos bloqueados geograficamente, mas verá que é útil noutras situações.

O Smart DNS é semelhantes aos serviços de proxy (ou melhor, é um proxy de um tipo diferente). Na sua essência, permite utilizar um DNS (Servidor de nomes de domínio) diferente daquele que lhe foi fornecido pelo seu ISP. A principal diferença entre um proxy comum e o Smart DNS é que o último limita-se a desviar o seu tráfego. Isto faz com que seja mais rápido do que utilizar um proxy ou uma VPN, mas também é muito mais limitado.

3. Tor (The Onion Router)

O navegador Tor é outra ferramenta que pode ocultar a sua localização de navegação na Web. Devido à sua natureza descentralizada, o Tor torna o seu endereço IP muito mais difícil de rastrear sempre que interagir com serviços na Web.

Em termos simples, encaminham o seu tráfego online através de vários relés executados por voluntários, o que torna a sua localização geográfica quase impossível de situar. A melhor parte? O Tor é totalmente grátis!

Dito isto, o navegador Tor também apresenta algumas desvantagens:

  • A utilização do Tor poderá ser ilegal no seu país
  • Alguns relés do Tor podem ser bloqueados pelo seu fornecedor de serviços de Internet (ISP)
  • As suas velocidades de ligação podem cair drasticamente ao utilizar o Tor

O bloqueio geográfico é legal?

Em termos legais, o bloqueio geográfico é uma área cinzenta. Na verdade, em geral, depende do país. A maior parte dos países trata as restrições geográficas como uma parte necessária dos acordos de direitos de autor e licenciamento internacionais. Inclui países altamente industrializados como os Estados Unidos, o Canadá e a Austrália.

A União Europeia, no entanto, parece estar a palmilhar caminho numa direção diferente. Em dezembro de 2018, a União Europeia baniu o “bloqueio geográfico injustificado“. Disto isto, esta proibição exclui as grandes empresas responsáveis pelo Netflix, Spotify e Steam. Isto significa que os conteúdos online para os quais a maior parte de nós utiliza ferramentas de evasão permanecerão bloqueados num futuro próximo.

É legal contornar o bloqueio geográfico?

No que respeita à legalidade da evasão da medida, é – em termos legais – uma área tão cinzenta quanto o bloqueio geográfico: sempre que a utilização de VPN seja legal, também é a evasão aos bloqueios geográficos.

Isto significa que muito embora não possa ser acusado formalmente por desbloquear conteúdos bloqueados a nível regional, o fornecedor poderá banir a sua conta em virtude da violação dos seus Termos de serviço e dos Acordos de licenciamento de utilizador final. O que (quase) nunca acontece.

Afinal de contas, estas empresas ainda conseguem lucros das taxas de subscrição pagas pelos utilizadores que desbloqueiam os seus conteúdos através da utilização de VPN, proxies ou serviços de SmartDNS. O que coloca a questão legal da evasão ao bloqueio geográfico num limbo perpétuo.

Como resultado, o desbloqueio geográfico continua a ser o crime mais fácil de sempre, passo a expressão. Basta obter uma aplicação e já está! Não há motivo para se manter limitado ao seu pequeno pedaço da Internet. Com a tecnologia moderna, o mundo é seu – aproveite!